top of page

Parentalidade Positiva: Os estilos parentais

''Entre todas as transições que acompanham a nossa existência de adultos, uma delas destaca-se de entre as demais; O momento em que nos transformamos em pais ou em mães''

(Palácios, 2005).

Fotografia: Ricardo Moura | At: unsplash

Tornar-se pai ou mãe, é um dos momentos mais transformadores na vida de qualquer ser humano. Com a chegada de um filho, chegam também as dúvidas, as angústias e as incertezas. ''Será que estou a fazer o meu melhor? Será que estou a educar esta criança de forma correta? Será que devo impor regras e ser exigente? Será que devo dar-lhe liberdade para que se torne autónomo?

Se, por um lado, os pais procuram encorajar os seus filhos e promover o seu desenvolvimento saudável, também desejam que eles aprendam com os seus próprios erros e que saibam que estão a aplicar as estratégias educacionais mais adequadas.

As práticas parentais são determinantes para o desenvolvimento cognitivo e social das crianças, assim como para assegurar a sua qualidade de vida, e são altamente influenciadas pela cultura e contexto em que se inserem os pais. Este conceito não se refere apenas aos pais biológicos, podendo ser associado aos cuidadores da criança e também a outros membros da família.


No âmbito da parentalidade, surgem os estilos parentais: os estilos parentais são definidos como a relação que é estabelecida entre os pais/cuidadores e a criança, e representa os comportamentos que são dirigidos á criança, em toda sua interação.

Numa abordagem, proposta por Diana Baumrind (1968) psicóloga clínica, os estilos parentais podem ser definidos como o estilo autoritário, o estilo democrático e o estilo permissivo.

Cada estilo parental pode ser caracterizado de várias formas:


Estilo parental autoritário:

  • Ordens e normas rígidas;

  • Punições severas;

  • Comunicação imperativa (as regras não podem discutidas ou modificadas);

  • Pais altamente exigentes;

  • Reduzido nível de afeto por parte dos filhos;

  • Prezam ao máximo o respeito e disciplina, podendo aplicar castigos físicos quando tal não se verifica;

  • Não é frequente recorrerem ao diálogo com as crianças.


Estilo parental democrático:

  • Educam de forma racional;

  • Respeitam as necessidades dos seus filhos e fomentam a troca de opiniões;

  • Permitem uma maior autonomia e liberdade;

  • Têm em conta os desejos dos seus filhos;

  • Dão ordens adequadas ao contexto;

  • Praticam uma supervisão firme e responsável;

  • São percebidos como modelos de referência para as crianças.


Estilo parental permissivo:

  • Regras pouco claras;

  • Não praticam qualquer tipo de controlo sobre os seus filhos;

  • Não aplicam punições ou limitações;

  • Revelam pouca maturidade;

  • Não procuram alterar os comportamentos dos seus filhos, sejam eles adequados ou não;

  • São pouco exigentes;

  • Procuram apenas satisfazer as necessidades básicas das crianças.



Apesar das investigações em relação às praticas parentais se manterem até aos dias de hoje (inclusive surgiram os estilos parentais ''indulgente'' e ''negligente'', que se inserem no estilo parental ''permissivo''), a investigação revela também que, o estilo parental democrático é aquele que revela resultados mais satisfatórios, em relação ao desenvolvimento da criança e da sua qualidade de vida. As crianças revelam bons resultados escolares, menos perturbações do comportamento e menos comportamentos de delinquência. Revelam ainda um ajustamento emocional adequado, uma vez que estes pais permitem que a criança explore o contexto de forma consciente, fazendo uma supervisão responsável, caracterizada por comportamentos de afeto.


Já pensou que tipo de pai/mãe/cuidador é?

Qual o estilo parental que se adequa a si?


Até breve!


Susana Santos

Psicóloga Clínica

Membro Efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses nº24251




109 visualizações1 comentário

1 comentario


Miembro desconocido
16 ago 2021
Me gusta
bottom of page